segunda-feira, 4 de maio de 2009

vamos lá ver...

ora bem, estive ausente desta coisa durante quase um mês, peço imensa desculpa mas simplesmente não estava para aqui virado. Se calhar não vou ter qualquer comentário, já ninguém me vai ligar, é bem feita lol. Ainda assim, hoje obriguei-me a publicar qualquer coisa, pensei dedicar-me a um tema soft... talvez o sentido da vida (sim, soft in deed não é?)

Suponho que, generalizando, qualquer religião vê a vida como parte de algo maior, uma preparação para a pós-vida, ou talvez a verdadeira.
Acho que já ninguém acredita realmente na burla judaico-cristã (perdoem-me os crentes, mas espero realmente que sejam suficientemente conscientes para terem chegado a esta conclusão por vós próprios) do "estamos aqui para nos amarmos uns aos outros". Sendo assim, para que é que estamos aqui de todo? Porque não logo o paraíso? Podemos amar-nos num lugar melhor, sem o sofrimento da perda.
Será que um deus benevolente não nos pouparia a essa dor? Sim, talvez porque precisamos de aprender... Mas então, sendo um deus perfeito, porque não nos criou também perfeitos, para que não tivéssemos que aprender? Aliás, se ele é perfeito porque é que nos criou de todo? Porque precisa da companhia? Para criar uma forma de entretenimento, como um gigantesco jogo de xadrez? Vendo-nos sofrer sem fazer nada?
Isso não faz sentido para um deus perfeito.... Mas e se deus não for perfeito? Se quem nos criou for uma entidade suficientemente poderosa para nos criar e tiver falhas, defeitos... Bem, suponho que isso seja demasiado assustador para pensarmos nisso, não é?

É claro que, quando deus nos falha, é para a ciência que nos viramos. É aí que deixamos de ser primitivos na nossa crença e exercemos aquela que é talvez a nossa maior qualidade, a par da criatividade. A razão. E, ainda que não esteja certo de que isso seja necessariamente bom, considero que ainda é a nossa melhor aposta. Hoje, tentei pensar sobre a vida por um ponto de vista científico. Cheguei a uma conclusão.

A vida não é mais do que matéria. A diferença é que a matéria que a compõe se organiza com um objectivo.

Qual o objectivo? Não sei, nem sequer acredito que alguma vez venha a saber, muito menos por meio da razão. Talvez a resposta esteja a meio caminho entre a religiao e a ciência, entre o racional e o absurdo. Ou talvez seja simplesmente demasiado complexa para a entendermos e continuarmos a viver como seres humanos. Talvez venhamos a descobrir que nós é que somos deus. Não sei...

E vocês, o que acham? (por favor usem e abusem do vosso direito à opinião. neste blog não há limite de tamanho dos comentários :))

Até logo

7 comentários:

Andesman disse...

O ser humano é demasiado pretensioso e narcisista. Gosta de se achar eterno de qualquer forma. Quando se aproxima o fim da sua efémera existência terrena, questiona-se: fui um gajo bonito e tive umas gajas boas. Fiz umas coisas interessantes. Tive poder e fama. E agora? Não pode ser o fim de tudo! Acredita fácilmente que vai para uma fase superior.

Nós que somos piratas e não crentes, acreditamos apenas naquilo que a Ciência compreende e prova. Não temos vida fácil. Mas não nos deixamos levar, porque pensamos pela nossa cabeça e pomos em causa aquilo que não é palpável. Como escreveu o poeta António Aleixo: "Esta mascarada enorme/Com que o mundo nos aldraba/Dura enquanto o mundo dorme/Quando ele acordar acaba".
Contudo até nós os piratas podemos falar de Deus, mas sempre de boa fé; como explica Miguel Torga: "Para falar de Deus não é preciso ter fé: Basta apenas estar de boa fé".
Houve alguém que escreveu: "Para viver sem fé é preciso ter muita fé". Os piratas como nós, que não são crentes, precisam de muita fé no ser humano. E na infelicidade, precisam de muito mais coragem, pois não acreditam na compensação do Paraiso. Depois, qual é o Deus que permite que tão poucos se aproveitem e sejam felizes com o sofrimento de tantas almas? Que explorem o seu semelhante à sombra do seu nome? Mais uma vez António Aleixo: "Se cá voltasse Jesus/O mártir filho do homem/Expulsava os que comem/À sombra da sua cruz".

Aprendam ou sofram!!!

Um abraço para ti. Escreves-te um excelente post.

Marta disse...

Essas coisas da igreja são cada vez mais insignificantes, para mim. (Um dia...!!!)
E este assunto é demasiado complexo e abstracto (?) para ter alguma opinião formada. Por isso, baseio-me no que mais óbvio podia surgir (da minha pessoa): nós comandamos a nossa vida, ou melhor, acredito na existência de um destino que nos faz ir pela esquerda e pela direita e não, não há coincidências

«D: It is written»

(^^)

Beijo

Élio - Filomena disse...

Onde está Deus? Pergunta o cientista, ninguém o viu. Quem é Ele? Responde rapidamente o materialista: Deus é somente uma invenção da fé! O pensador dirá, sensatamente: - Não vejo Deus, mas sinto que Ele existe! A natureza mostra claramente no que consiste o poder do Criador. Mas o poeta dirá, com a segurança de quem afirma porque tem certeza: - Eu vejo Deus no riso da criança, no céu, no mar, na luz da natureza! Contemplo Deus brilhando nas estrelas, no olhar das mães fitando os filhos seus, nas noites claras e belas de luar.
Percebo Deus na frase que perdoa e na mão que acaricia, Escuto Deus na criatura boa E sinto Deus na paz e na alegria!
Eu vejo Deus nas flores e nos prados, nos astros a rolar pelo infinito, escuto Deus na voz dos namorados, e sinto Deus na lágrima do aflito! Eu vejo Deus, enfim, por toda a parte! Mas onde sinto Deus com mais beleza, na sua mais sublime plenitude, não é no coração da natureza, É dentro do meu próprio coração.

Deus não tem religião..

abraço..

Sandra disse...

Não te sei explicar muito bem como é que as coisas acontecem. Aliás, nem eu, nem ninguém... Sabes bem que eu sou crente e que acredito que um dia ainda iremos viver num mundo melhor. No entanto há coisas que me deixam por vezes meia à parte, se é que me faço entender.. Porque é que nunca ninguém voltou para contar como é que são as coisas lá? Hm, não sei. Mas também acredito na reencarnação, logoo, talvez isso sirva de resposta à dúvida que por vezes ponho a mim mesma.
Há dias, quando as coisas não correm bem, que penso onde andará Deus que está a permitir que tudo aquilo aconteça... Mas agora sei, e sempre soube que temos que estar sempre preparados para enfrentar os nossos maiores medos. Nem que isso implique alguns dias de solidão e tristeza, mas que te vão fazer crescer e a ser alguém melhor.
Sinto que estou a escrever e que quando leres isto será música para os teus ouvidos, LOL. Pruisse...
Anyway: "Deus está aqui, tão certo como o ar que respiro, tão certo como o amanhã que se levanta" :)

* beijinho

anfly disse...

xDD

Maria disse...

Mas a vida tem sentido?!
O que é o sentido? O que faz sentido?
Não penses no sentido, vive!

padeirinha disse...

Quem tem Fé, tem um tesouro.
A Fé não se explica.
Entender Deus seria utopia ou Ele não seria Deus. E nós cinza e pó.